no

O diagnóstico precoce evita as consequências em casos de esclerose múltipla

Instituído pela Bouquet 11.303 / 2006, o Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla, comemorado hoje (30), tem como objetivo dar maior visibilidade à doença, informar a população e alertar para a importância do diagnóstico precoce da doença, que pode ser tratada e evitou as consequências.

Denis Bichuetti, teacher de neurologia da Universidade Federal de São Paulo em São Paulo (Unifesp) e membro da Academic community Brasileira de Neurologia (ABN), disse à Agência Brasil que do ponto de view clínico a esclerose múltipla (EM) é crônica e incurável, se diagnosticada e tratada precocemente, ou seja, stakes que as consequências apareçam, “o paciente pode ficar muito bem, sem consequências por muitos anos. O que quero dizer é que é uma doença que, para precisar de uma bengala para andar, leva 15 anos. precisar de andador, 20 anos; e uma cadeira de rodas, 25 anos “.

Ele alertou, no entanto, que como a esclerose é uma doença que começa por volta dos 20 ou 30 anos e embora demore muito para desenvolver uma deficiência, ela ataca as pessoas no período mais produtivo da vida, entre 20 e 55 anos. o

Guilherme Torezani, coordenador de doenças cardiovasculares do Medical facility Icaraí e coordenador de neurologia do Medical facility e Clínica São Gonçalo, explica que a esclerose múltipla é uma doença autoimune que acaba afetando certas áreas do cérebro e colocando o cérebro em perigo. Dependendo da área do cérebro que está inflamada, vários sintomas podem aparecer repentinamente, em erupções. “Se o paciente sai, não investiga, a doença piora. É importante saber que novos sintomas neurológicos devem sempre ser investigados por neurologista. “É por isso que estamos falando sobre diagnóstico precoce”, disse Torresani.

Recomendado:  Idosos de 89 a 84 anos recebem reforço nesta semana no Rio

diagnóstico precoce

Denis Bichuetti afirmou que o primeiro motivo para o diagnóstico precoce da doença é o seu tratamento oportuno e a prevenção da cadeia de consequências. O primeiro ponto para o diagnóstico e tratamento precoces é uma mudança na história da doença, “como mudou a história da poliomielite, acidente vascular analytical e câncer no Brasil”, observou.

A segunda razão é social e econômica. “Se eu tratar a pessoa antes de realizar acompanhamento, o custo dos medicamentos, o custo dos benefícios sociais e o custo indireto da aposentadoria serão bem menores”. Isso acontece se eu mantenho a pessoa caminhando e produzindo, em vez de ficar esperando constantemente. porque tenho que tratar esse continuum, que é muito mais caro que o remédio para continuar. “E o indivíduo deixará de produzir e consumir benefícios sociais”, explica Bichuetti.

O terceiro motivo do diagnóstico e tratamento precoces é o bem da pessoa, que é o elemento mais interessante, ficar perto da família, desenvolver atividades de lazer, ter trabalho onde vai produzir e ser remunerado.

eu apreciei

Dados da Federação Internacional de Esclerose Múltipla e da Organização Mundial da Saúde (OMS), publicados em 2013, mostram que houve 40 mil casos da doença no Brasil. Denis Bichuetti disse, no entanto, que esse número está subestimado. “Por ser uma doença crônica e a pessoa conviver com ela há 30 ou 40 anos, deve haver pelo menos o dobro de brasileiros com esclerose múltipla. O problema é que nem todos são totalmente diagnosticados. “

Segundo o Ministério da Saúde, a prevalência média da doença no Brasil é de 8,69 por 100.000 habitantes. Globalmente, estima-se que entre 2 milhões e 2,5 milhões de pessoas vivam com esclerose múltipla.

Experimentando sintomas repentinos, que ocorrem durante a noite, como perda de visão em dos olhos, dor, alterações na sensibilidade, perda da função dos membros, visão dupla, troca de palavras, a pessoa deve procurar na mesma hora o healthcare facility porque pode ser acidente vascular analytical. Geralmente, os sintomas da esclerose múltipla se desenvolvem ao longo de vários dias ou semanas. Portanto, a recomendação é procurar ajuda médica.

Recomendado:  Mulher pede “Fora Bolsonaro Genocida” ao vivo durante entrevista ao SBT

O suitable é ir a neurologista, mas como nem todas as cidades do Brasil contam com esse especialista, a recomendação é procurar clínico de confiança ou pronto-socorro. Denis Bichuetti acrescentou que se os sintomas forem muito agudos, o paciente deve ser encaminhado a um pronto-socorro que tenha mecanismos para avaliar se alguma outra coisa precisa de tratamento. “A esclerose múltipla pode esperar até amanhã. “AVC não pode”, disse ele, por exemplo.

mulheres

Guilherme Torezani relatou que a doença atinge o dobro de mulheres do que homens e é diagnosticada, em média, aos 30 anos nas mulheres, em idade mais produtiva, embora possa afetar crianças e idosos. Isso é verdade para outras doenças auto-imunes, como lúpus, doença de Crohn, por exemplo. Como explica Denis Bichuetti, as mulheres têm maior probabilidade de desenvolver doenças autoimunes devido a fatores genéticos. “Não é exclusivo para a esclerose múltipla, mas para as mulheres em geral.”

O tratamento é feito com medicamentos. Atualmente, existem cerca de 14 ou 16 medicamentos aprovados por agência reguladora no mundo, com tratamento cientificamente reconhecido. Destes, cerca de 12 estão no Brasil e dez estão disponíveis na rede do Sistema Único de Saúde (SUS) e no catálogo da Agência Nacional de Saúde Complementar.

“No Brasil, além da questão da demora no diagnóstico e, muitas vezes, para procurar um neurologista, temos medicamentos aprovados tanto pelo SUS quanto pelo setor privado de saúde que não devem nada a outros países. “O grande problema é as pessoas chegarem ao neurologista, que no SUS é muito mais complicado do que no sistema privado”, disse o teacher à Unifesp.

Recomendação

Denis Bichuetti disse ainda que, aos 30 anos, o recado para a população é que a doença atinge os jovens, é potencialmente uma deficiência, mas tem cura. “E com o tratamento certo, podemos evitar as consequências. “Essas pessoas podem e devem ser mantidas em seus círculos sociais e em seu ambiente de trabalho”.

Recomendado:  Anvisa determina arrecadação de lotes da CoronaVac

Bichuetti exortou os empregadores a não verem os trabalhadores com a doença como pessoas com deficiência, mas como pessoas que, se receberem o tratamento adequado, continuarão a produzir muito bem e não devem ser despedidas. “Eles são tratados como pessoas com qualquer outra doença, que passam por altos e baixos e merecem a mesma oportunidade que todos os outros.”

Guilherme Torezani também destacou a importância de desmistificar a doença. Não é uma sentença de morte ou uma sentença de invalidez, assegurou. Há pacientes que recebem tratamento estável, sem recaídas por anos, que levam uma vida quase typical. “Esta é uma mensagem que devemos deixar.”

O neurocirurgião Claudio Fernandes Corrêa, idealizador e coordenador do Núcleo de Dor e Neurocirurgia Funcional do Health Center 9 de Julho, sugeriu que os pacientes com atividade física pratiquem atividade física routine, associada à fisioterapia e correlação de domínio medicamentoso. O caso. empenhado. Para os casos de alteração do domínio muscle, caracterizado por rigidez e tensão muscle, Corrêa recomendou fisioterapia fisioterapia adicionada ao medicamento, bem como procedimentos neurocirúrgicos em cenários mais restritivos.

EBC

Escrito por Bonfim Notícias

Quando termina a reprise da novela Pega Pega em 2021

Raffaele Casuccio Nos Tempos do Imperador: quem é o novo personagem